quarta-feira, 20 de maio de 2015

Resenha: A Mais Pura Verdade

    Olá, leitores! Tudo bem? Hoje é dia de resenha da Novo Conceito! :)


Título: A Mais Pura Verdade
Subtítulo: inexistente
Escritor: Dan Gemeinhart
Editora: Novo Conceito
Páginas: 224


Sinopse:
Em todos os sentidos que interessam, Mark é uma criança normal. Ele tem um cachorro chamado Beau e uma grande amiga, Jessie. Ele gosta de fotografar e de escrever haicais em seu caderno. Seu sonho é um dia escalar uma montanha.
Mas, em certo sentido um sentido muito importante , Mark não tem nada a ver com as outras crianças.
Mark está doente. O tipo de doença que tem a ver com hospital. Tratamento. O tipo de doença da qual algumas pessoas nunca melhoram.
Então, Mark foge. Ele sai de casa com sua máquina fotográfica, seu caderno, seu cachorro e um plano. Um plano para alcançar o topo do Monte Rainier.Nem que seja a última coisa que ele faça. 
A Mais Pura Verdade é uma história preciosa e surpreendente sobre grandes questões, pequenos momentos e uma jornada inacreditável.


    Num dia rotineiro como todos os outros, Mark decide sair de casa com comida e seu cachorro para se aventurar a escalar uma montanha; seu sonho, desde que seu avô morreu, é esse e, mesmo sabendo da próxima tempestade que perdurará por alguns dias, ele resolve realizá-lo.
    Antes que sua mãe chegasse à casa, Mark separa suas coisas e sai. Pega um ônibus para outra cidade. E sua aventura se inicia. Mark é um menino "problemático" - todos somos, na verdade - e ele não se importa com a morte; ele realmente acha que morrerá ao escalar a montanha, mas não desistiu da ideia. É um pouco complicado entrar na cabeça de Mark e entender os seus porquês, porém é importante que essa interação entre leitor e personagem realmente aconteça. 
    Em "A Mais Pura Verdade", nós identificamos o quão um cachorro pode ser mais companheiro do que os seres humanos, muitas vezes. E prova disso é a forte relação de amizade entre Beau e Mark. Eles são grudados desde que Mark ganhou Beau. Outro ponto positivo para a narrativa. Mas o que mais me encantou foi a forma como a vida de Mark é contada por ele mesmo; às vezes, as pessoas menosprezam tanto os próprios feitos que acreditam realmente que não tiveram boas escolhas. 
    Mark não dá valor a quase nada do que tem ou faz - não que seja maldade dele; ele só tem dificuldade de ver as coisas boas - e isso pode mudar durante essa aventura. E se você estiver se perguntando o que acontece: você só saberá se o lê.

Espero que tenham gostado! Beijinhos ♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário